More

    Ciência brasileira ficou 21% mais relevante no mundo desde 1996

    Um relatório da Agência Bori em parceria com a Elsevier aponta que a ciência brasileira está cada vez mais relevante mundialmente. O documento analisa o impacto acadêmico da produção científica do Brasil e destaca que, entre 1996 e 2022, ele cresceu 21%.

    Leia mais

    Ciência brasileira volta a respirar, mas precisa de cuidados, alertam pesquisadoresUSP tem 8 pesquisadores entre os melhores do mundoBrasil e Espanha irão criar o maior mapa 3D do Universo

    Ciência brasileira mais relevante no mundo

    Durante o período analisado, o número de artigos científicos publicados no Brasil aumentou em nove vezes, passando de 8,3 mil, em 1996, para 74,6 mil, em 2022. No ano passado, no entanto, houve uma queda de produção em comparação com 2021, quando 80,4 mil trabalhos foram publicados.

    No levantamento, foi utilizada a ferramenta SciVal, que facilita a análise dos dados de 85 milhões de publicações científicas do mundo que estão na base de Scopus. SciVal e Scopus são da Elsevier.

    Segundo definição da Bori, o impacto acadêmico é calculado a partir do número de vezes que um artigo científico é citado em comparação com outros da mesma área de conhecimento em determinado período de tempo.

    Esse conceito pode ser analisado pelo indicador Field Weighted Citation Impact (FWCI), da Elsevier. O FWCI da ciência brasileira passou de 0,7, em 1996, para 0,85, em 2022. Dessa forma, o FWCI médio do Brasil foi de 0,85 no período.

    É importante notar que, apesar do gigantesco aumento da produção científica, o Brasil tem conseguido manter a média de citações de seus trabalhos, aproximando-se cada vez mais da média mundial.

    Estêvão Gamba, cientometrista e cientista de dados da Bori

    O relatório ainda citou as instituições brasileiras que tiveram visibilidade científica acima da média mundial entre 2020 e 2022. A entrada na lista significa que os artigos publicados por seus pesquisadores estão entre os 10% mais citados mundialmente no período.

    Em 1996, eram contabilizados 569 artigos de pesquisadores brasileiros no TOP 10%. Em 2022, esse número chegou a 5,4 mil.

    O trabalho da Agência Bori considerou apenas países que, em 2021, publicaram mais de 10 mil artigos científicos. Entre as instituições brasileiras, só foram consideradas as 35 que publicaram mais de mil artigos nesse mesmo ano.

    (Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

    Instituições brasileiras com destaque científico

    Universidade de São Paulo (USP);Universidade Estadual de Campinas (Unicamp);Universidade Estadual Paulista (Unesp);Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);Universidade Federal de São Paulo (Unifesp);Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz);Universidade Federal de São Carlos (Ufscar);Universidade Federal do Paraná (UFPR);Universidade Federal de Santa Maria (UFSM);Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa);Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN);Universidade de Brasília (UnB).

    O post Ciência brasileira ficou 21% mais relevante no mundo desde 1996 apareceu primeiro em Olhar Digital.

    Últimas Notícias

    Notícias Relacionadas